Controle Y



Questão de Gosto

A construção social por trás da “questão de gosto” e a diferença entre não se atrair por características e ser um escroto!

Ouça em outras plataformas:   Spotify   |   Deezer   |  Apple Podcast   |    Google Podcast   |   Anchor (gratuito)

controle y ilustração gay podcast questão de gosto

“O quanto eu estou disposto a relevar em troca de uma transa?” Foi o eu pensei no meio do meu date com o Fernando, enquanto mentalmente marcava no meu placar a segunda abstração da noite.

A primeira foi quando o Fernando ficou falando somente dele por duas horas. Já a segunda foi quando ele pediu calabresa acebolada numa daquelas CHAPAS com fogareiro de mesa!!! Fiquei defumado.

Acontece, que não consegui relevar uma terceira vez, quando ele apontou para dois gays afeminados do bar e disse que achava aquilo desnecessário e não curtia. Num tom pejorativo.

Quando perguntei o porquê, o próprio respondeu: ”questão de gosto pessoal.”

Fui ao banheiro e percebi que naquele dia eu não estava a fim de transar com um babaca.

Voltei para a mesa e disse:

Seu gosto é tão, mas tão pessoal que é igual o da maioria das pessoas. Né? Presumir que de todos os gays afeminados do mundo você não gostará de nenhum te torna mais limitado do que superior. Estou indo embora. E relaxa que a afeminada aqui pagou toda a conta.

Fernando foi o primeiro date que eu abandonei. Tem coisas que não dá para relevar por uma transa.

 

Podcast

Neste episódio, a psicóloga Andressa Crema (@andressacremapsicologa), Lucan Bazan (@eubazan) e Y, discutem a construção social por trás da “questão de gosto” e a diferença entre não se atrair por características e ser escroto.

“Seu gosto é tão, mas tão pessoal que é igual o da maioria das pessoas?”

Instagram: @controle_y

 


“Não leve para o lado pessoal”

Sobre levar uma coisa ou outra para o lado pessoal!

Ouça em outras plataformas:   Spotify   |   Deezer   |  Apple Podcast   |    Google Podcast   |   Anchor (gratuito)

Controle Y Ilustração Gay Não é Nada Pessoal

Aos 16 anos, entrei numa papelaria e vi um cartão de Natal. Do lado de fora estava escrito: “Neste Natal, te dou de presente o meu coração…” Dentro, havia a continuação: “Mas você pode fazer o que quiser com o embrulho!”

Comprei o cartão com a promessa de dar para alguém que ~merecesse~!

CINCO anos depois (!!!), finalmente o merecedor (aka o que durou até o Natal) apareceu – o Luiz.

Estávamos juntos há alguns meses quando calhou de eu finalmente entregar o cartão. Ele adorou e disse que foi o primeiro que ganhou na vida.

CORTA A CENA:

Não nos falamos naquele Natal e nunca mais! Luiz começou a namorar um primo!!!

A verdade é: nunca foi algo pessoal, de ambos os lados. Tanto do Luiz, que só queria transar e não um cartão, quanto do meu, que só queria desovar algo (que me lembrava o quão encalhado eu era) para a primeira pessoa que aparecesse.

LUIZ, DEVOLVE O MEU CARTÃO, SEU INCESTUOSO!

Podcast

Após perceber levar um pé na bunda sob o pretexto de “não quero nada sério”, Y descobre que esse mesmo ex que lhe disse isso, começou a namorar 5 dias depois… Junto com a terapeuta holística, Aline Bimont (@alinebimont), Y tenta se convencer de que não tem que levar nada para o lado pessoal.

Instagram: @controle_y


Piranha que se apaixona

A vida da piranha que se apaixona não é fácil! Faça o teste e descubra que tipo de piranha você é.

Ouça o Podcast

Esse podcast é para você que carrega a responsabilidade de ser piranha mas, vez ou outra, se apaixona. Para você que se surpreende no quão rápido consegue superar desilusões. Até por que, depois de tantas, a gente uma ‘casca’.

No episódio de hoje, Amabile Reis (@amabilerreis), Fernando (@fernandoateix) e Y fazem um teste e chegam a conclusão: piranha também se apaixona!

Ouça em outras plataformas:   Spotify   |   Deezer   |  Apple Podcast   |    Google Podcast   |   Anchor (gratuito)

Ilustração Controle Y Piranha Também Se Apaixona

Teste

Faça o teste e descubra Que tipo de Piranha É Você?

Marque tudo o que já fez.

(     ) Já gostei do amigo de um cara que eu estava saindo.

(     ) Já peguei alguém comprometido (sabendo!).

(     ) Já fui para o rolê com uma pessoa e acabei ficando outra.

(     ) Já traí alguém.

(     ) Já seduzi alguém para ganhar algo em troca.

(     ) Já desmarquei date com alguém para sair com outro.

(     ) Já menti (ou omiti algo) para alguém.

(     ) Já fiz alguém chorar.

(     ) Já esqueci o nome de alguém com quem transei.

(    )  Já esqueci que havia dado uma mancada e mandei um ‘Oi sumido’.

(    )  Já furei olho de amigo.

(    )  Já me apaixonei muito rápido e desapaixonei mais rápido ainda!

Resultados

De 1 a 6

Piranha de fases: Você tem períodos de piranhagem. Quando está com raiva ou após terminar um relacionamento é fica mais atacada. No geral, sempre que você está numa sequência de piranhagem, aparece um cara que quebra esse ritmo e te deixa perdida.

de 6 a 10

Piranha do rolê: Você prioriza o rolê e os amigos. Às vezes, se apega com um macho ou outro, mas se desapega ou enjoa rapidamente. Conhecida por ter o dedo podre: atrai bom partidos mas acaba optando sempre pelos lixos.

+ que 10

Piranhuda mor: Não quer saber de relacionamento. Nem passa o whatsapp/Instagram que é para não se estressar. Não tem medo de tomar foras, pois não leva nada para o pessoal. Afinal, o seu lema é: ninguém morre por amor. Sabe disso pois sofreu apenas uma vez por amor.

Instagram: @controle_y